sábado, 31 de março de 2012

2012: Bicentenário de Olho d´Água - Um século da chegada da ferrovia a Rio Branco

Por: Pedro Salviano Filho 
(Coluna Histórias da Região - Edição de março e abril do Jornal de Arcoverde) 

        Os documentos disponíveis confirmam que o primeiro arruado surgiu em Olho d´Água, a primeira denominação da atual Arcoverde, há 200 anos. E, no próximo dia 13 de maio, deveria se comemorar o primeiro centenário do grande motivo do progresso do atual município, a chegada da rede ferroviária.
Apesar desta coluna ter tido a oportunidade de destacar esses assuntos (ver http://bit.ly/zLhtfy , http://bit.ly/HoBbpZ ), retomamos o tema para incrementar informações para um melhor resgate desta  memória. 
Desde quando existimos?  Que nomes já tivemos? Quem foi mesmo que sugeriu o nome atual da nossa cidade? O nosso primeiro maior fator de progresso (a chegada dos trilhos) merece mais atenção? Vamos pensar sobre estes assuntos?
Comecemos reproduzindo o documento que parece ser o mais antigo que trata dos nossos primórdios.

3 março de 1812 - Registro da Provisão de juiz do limite a José Reis de Lima. O juiz ordinário, presidente e mais senadores da câmara da vila de Cimbres da nova comarca do sertão de Pernambuco este presente ano, por Sua Alteza Real o Príncipe Regente nosso Senhor que Deus guarde.

Fazemos saber aos que esta provisão virem, que havendo respeito a José dos Reis Lima ter sido nomeado pela câmara do ano passado para servir o cargo de juiz do limite do lugar do Olho D´água e seus subúrbios, como igualmente foi de presente nomeado pela presente câmara para servir este presente ano o dito cargo do mesmo lugar acima declarado e conhecerá verbalmente das contendas que forem entre os moradores do dito seu limite, até a quantia de 400 réis, sem apelação nem agravo, verbalmente, sem fazer processo e da mesma maneira conhecerá, segundo as posturas do Conselho, dos crimes e danos e não conhecerá sobre crime algum, digo conhecerá de contenda alguma de bens de raiz. Não conhecerá sobre crime algum, porém poderá prender os malfeitores que forem achados cometendo malefícios em dito seu limite, ou aldeia, ou povoações, ou se lhe for requerido pelas partes que o prenda, tendo-lhe mostrado mandato ou querela por que o devam ser e tanto que forem presos os mandarão entregar aos juízes ordinários. Toda esta jurisdição é concedida pela ordenação, acrescendo mais o poderem trazer vara, e vencerá os emolumentos que lhe são concedidos, guardando a forma do regimento. E para constar, mandamos passar a presente, em vereação de 3 de março de 1812. Eu, João Nepomuceno da Costa Galvão, escrivão da câmara o escrevi. Leite. Machado. Cavalcanti. Menezes. E não se continha mais em dita provisão, que bem e fielmente copiei e à mesma me reporto. Vila de Cimbres, 3 de março de 1812. Em fé de verdade, o escrivão da câmara, João Nepomuceno da Costa Galvão. Obs. Notas adicionais de Gilvan de Almeida Maciel: XLIV – A jurisdição do juiz do limite era Olho d´Água e “seus subúrbios”. Trata-se, com certeza, de Olho d'Água dos Bredos, posteriormente Rio Branco e, hoje, Arcoverde.

Livro da Criação da Vila de Cimbres (1762-1867) – Recife, 1985. Pág. 227

Ao que parece, para se diferenciar de tantos outros lugares que tinham o mesmo nome, Olho d´Água, 48 anos depois, em 1860, começa a ser anotado como Olho d´Água dos Bredos, como aparece neste documento do livro de registos de óbitos da igreja católica.


[1860] - Aos vinte e quatro de abril de mil oitocentos e sessenta e sete me foi entregue com encomendado Exmo. Ver. Senhor vigário capitular Joaquim Francisco de Farias o qual é do teor seguinte: Manda ao reverendo pároco de Cimbres que adiante por mim assinado, abra no respectivo livro, o óbito de Maria Joaquina Cordeiro, casada que foi com José Domingos da Silva da Cunha, por ter esta justificação perante mim, ter a dita sua mulher falecida a trinta de junho de mil oitocentos e sessenta, e ter sido sepultada na Capela de Nossa Senhora do Livramento da Povoação de Olho d´Água dos Bredos, filial da referida freguesia de Cimbres. Dado no Palácio da Soledade aos 11 de abril de 1867. Doutor Faria. E para constar fiz este assunto que assino. O Vigário Domingos Leopoldo da Costa Espinosa.

Livro de Óbitos 1865-1899 – Cimbres (http://bit.ly/H21aQ6  imagem 21/91)

                Sobre o vigário: Padre Domingos Leopoldino da Costa Espinosa – 1º Vigário da freguesia de Sant´Águeda de Pesqueira, desmembrada da de Nossa Senhora das Montanhas de Cimbres em virtude da lei n.º 966, de 1870. Veio transferido desta última freguesia e ocupava uma cadeira na antiga Assembleia Provincial. 
Ruas de Pesqueira. Recife, 1987. pág. 60. José de Almeida Maciel.

José de Almeida Maciel “seu Cazuzinha", da Loja Sant´Águeda, em 
Pesqueira - 1884-1957 - Historiógrafo que sugeriu a mudança de nome 
Rio Branco para Arcoverde.

Do livro Questões de Toponímia Municipal Pernambucana – Recife, 1984 – pág. 114. [de trabalho publicado em “A Região”, de Pesqueira, 15-3-1943]. José de Almeida Maciel:

                A vizinha cidade do Rio Branco está sem jeito... tem cinco homônimas mais antigas inclusive uma capital. Voltará ao nome Olho d´Água dos Bredos? Será Utinga? (u-  rio, tinga- branco). Utinga é o nome de vários engenhos situados nos municípios de São Lourenço, Iguarassu, Ipojuca e Cabo, também de um riacho afluente do Pirapama, ainda de um outro que juntamente com o Pitanga constituem o rio Igarassu. Ipu (olho d´água) já é a denominação de uma cidade cearense. Olho d´Água (sem os bredos) coincide com seis vilas existentes em São Paulo, Minas, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte e Pernambuco (município de São Gonçalo):  a prevalência do predicamento de cidade levaria todas elas de rojo. De qualquer modo a homenagem prestada ao grande vulto nacional o Barão do Rio Branco desaparecerá, privando Pernambuco do preito de admiração representado em o nome de um dos seus mais florescentes municípios. A minha sugestão é que se a revisão vier, o município de Rio Branco, filho emancipado de Pesqueira tenha a denominação Arcoverde, homenageando o seu eminente filho que também é filho do antigo município onde nasceu em 1850. Essa homenagem póstuma ao eminente sacerdote 1º Cardeal da América Latina, estou bem certo, honra e ufana sobremaneira aos atuais rio-branquenses. A vila de Arcoverde, antiga Mimoso, voltaria à denominação anterior, mesmo porque há outra vila de Arcoverde, de nome mais antigo, no município de Campos Novos do Estado de Santa Catarina. Por sua vez, o velho povoado de Mimoso, do município de Bezerros (ainda será dos Bezerros?), e que na revisão de 1938 arbitrariamente conservaram-lhe o nome em duplicata substituída por uma outra que melhor se lhe aplicasse.

No livro Minha Cidade, Minha Saudade. Recife, 1972, página 132, Luís Wilson deixou o registro:

                1944 - Em 1944, pelo Decreto-Lei Estadual nº 952 de 31 de dezembro de 1943 Rio Branco teve o seu topônimo modificado para Arcoverde. Homenagem a D. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti, primeiro Cardeal da América Latina, em 1905. Quando da revisão toponímica, realizada em 1943, por força de um decreto federal, cuja finalidade era acabar (como o fez), com as duplicatas dos nomes de cidades e vilas, em todo o país, o nome que havia sido escolhido para Rio Branco fora “Bredos”. Rio Branco não podia continuar, por já existir um nome mais antigo que o nosso, no Acre. Antônio Napoleão Arcoverde pensou em dois nomes, um dos quais Tacá. Lembrado pelo historiógrafo José de Almeida Maciel (“seu Cazuzinha", da Loja Sant´Águeda, em Pesqueira), surgiu o nome Arcoverde. Esta denominação, no entanto, era, a da vila de Mimoso (o secular Mimoso das Bulhas, pertencente a Pesqueira), surgiu o nome Arcoverde. A dificuldade, todavia, era haver também, em Santa Catarina, outra cidade com o nome desencarregada da Revisão Toponímica do Estado de Pernambuco, solicitou, então, à Comissão de Santa Catarina, que abrisse mão da denominação de “Arcoverde” para o Estado de Pernambuco, no que foi atendido. O nosso secular “Mimoso” (que havia sido também denominado “Freixeira”), voltou ao seu primitivo nome. E, assim, como homenagem a D. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti é que somos, hoje, Arcoverde.

CRONOLOGIA:

1812: Primeiro dado documental da existência de Olho d´Água.
1860: O povoado já ganharia o nome de Olho d´Água dos Bredos.
1909: Olho d´Água dos Bredos ganha a situação de vila (Lei Estadual nº 991, de 1 de julho)
1912: Em 13 de maio é inaugurada a estação ferroviária, já mostrando o novo nome Barão do Rio Branco (que ficou sendo chamado pelo costume popular de apenas Rio Branco).
1928: (11 de setembro): Rio Branco é elevada à condição de cidade e sede do município, pela lei estadual nº 1931, de 11-09-1928. Instalado em 01-01-1929.
1943: Na revisão toponímica Rio Branco tem seu topônimo mudado para Arcoverde, em homenagem a D. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti, 1º. Cardeal do Brasil e da América Latina. Isto se deu pelo Decreto-Lei Estadual n. 952, de 31 de dezembro daquele ano de 1943, assinado por Júlio Celso de Albuquerque Belo, presidente da Câmara Estadual, titular do governo estadual na ocasião.

Ainda se pode ver na velha estação o nome BARÃO DO RIO BRANCO que foi substituído 
por ARCOVERDE  (foto: Pedro Salviano Filho - em novembro de 2011)

          Ainda sobre a Great Western, existem muitas informações tanto nas bibliotecas como na web (ex. http://bit.ly/H4neHS  e http://bit.ly/HkTwz2 ). Pela estante virtual adquirimos o livro “História de uma estrada-de-ferro do Nordeste”, de Estêvão Pinto do qual apresentamos as imagens dos diretores do tempo da chegada daquela empresa ao nosso município.

O superintendente A.T. Connor e David Simson, presidente da Great Western no período 
de 1909 a 1913. Fotos do livro História de uma estrada-de-ferro no Nordeste.

No período de 1909 a 1913, que corresponde à administração A. T. Connor e à presidência de David Simson, prosseguiram os trabalhos ... da linha de Pesqueira, com a inauguração, em 1911, das estações de Ipanema e Mimoso, num percurso de trinta quilômetros e, logo no ano seguinte, com a de Barão do Rio Branco (anteriormente Olhos d´Água dos Bredos e hoje Arcoverde). Essa linha até Olhos d´Água dos Bredos constituía a primeira seção do prolongamento de Pesqueira a Flores.
Do livro «História de uma estrada-de-ferro no Nordeste. (Contribuição para o estudo da formação e desenvolvimento da Empresa The Great Western of Brazil Railway Company Limited e das suas relações com a economia do nordeste brasileiro)», de Estevão Pinto, Livraria José Olympio Editora, S. Paulo, 1949. pág. 139.

Mais artigos desta coluna: http://bit.ly/ysUcSY

Nenhum comentário:

Postar um comentário